domingo, março 25, 2018

Responsabilidade Emocional



 Vivemos em um mundo onde tudo é 8 ou 80.

 Entramos em algo de cabeça ou simplesmente ignoramos, meio termo só existe quando a questão é pedir pizza com dois recheios.

 Perdemos a capacidade de nos importar com sentimentos, não só os dos outros, mas os nossos também.   Estamos nos tornando seres altamente tecnológicos, dói mais perder um Iphone do que um amigo, são raras as pessoas que essas afirmação não se faz verdade.

 Não temos mais tempo para pensar, para sentir... estamos sempre ocupados, em movimento ou recebendo informações externas. Não sobra tempo para o "eu".

 Depois de chegar a essa conclusão, fiquei me perguntando como é que as pessoas se relacionam?
 Será que elas se questionam: "Eu estou emocionalmente preparada para lidar não só com as minhas emoções, mas com as do outro também?"

Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.
 Antoine de Saint-Exupéry  eternizou maravilhosamente uma frase que deveria estar cravada na alma de cada pessoa.

 Você não tem a obrigação de entrar em um relacionamento que não quer, e muito menos continuar em um que já não te satisfaz, mas tem sim a obrigação de sempre manter as cartas na mesa. E se você é um caos completo, é sua obrigação manter a pessoa em questão alerta disso, ninguém quer ser pego de surpresa por um furacão, pois isso, deixar tudo sempre as claras, não é apenas uma responsabilidade, mas uma questão de caráter. Ninguém deve entrar em um jogo sem antes conhecer exatamente as regras.

 Responsabilidade emocional não é apenas se preocupar  com o que causa no outro. Mas antes disso é estar preparado para lidar com as próprias emoções, pode parecer clichê, mas para entrar em um relacionamento, a pessoa precisa se conhecer e saber que apenas ela se basta para não jogar  no outro responsabilidades que são apenas dela.

 Ou seja, antes de mexer com as emoções alheias, saiba antes lidar com as suas. As pessoas não são brinquedos que você pode quebrar, jogar fora e comprar outro...
 Toda ferida deixa cicatriz.

terça-feira, março 20, 2018

Acúmulo de gente



 Já faz bastante tempo que não escrevo, escrever sempre foi pra mim uma forma de aliviar a alma.
 Passei a maior parte da vida sem ter pessoas em quem eu realmente confiasse e pudesse contar todas as coisas que me perturbavam, hoje tenho, e acho que é por isso que escrevo tão pouco apesar de sempre sentir falta...

 Mas hoje foi diferente, não quis falar com ninguém, acordei com uma ideia fixa que não me largou por todo o dia.. Fiquei pensando em um vestido rendado, lindo, que tenho guardado a alguns anos, ele ainda fecha em mim, sei porque o provei a apenas dois dias, mas eu cresci e ele fica extremamente curto e a cintura fora do lugar, então ele CABE em mim, mas não me SERVE mais e sei disso a muito a tempo já, guardo ele apenas porque acho bonito e me traz boas lembranças.

 Parece bobo e talvez seja, mas refletir sobre esse vestido e nos motivos para ele estar no meu guarda-roupa a tanto tempo sem servir pra nada, me fez pensar nas pessoas que eu ainda insisto em manter na minha vida...
 Quanta gente inútil que só esta aqui pelo passado!
 Grosseria? Provavelmente! Mas não devo ser a única a insistir em pessoas que não tem nada de bom a oferecer e sempre que aparecem tudo que trazem é algo negativo, pode até parecer que não no começo, mas o resultado final sempre é o mesmo.

 O tempo muda as pessoas, nem sempre da pra avaliar a mudança como algo bom ou ruim, mas isso realmente não importa, o que temos que analisar é se aquela pessoa ainda nos serve. Não é que ela deva ter uma utilidade na sua vida, o servir é não ser prejudicial.
Não adianta  manter por perto alguém que só causa mal apenas pelas boas lembranças, isso ocupa espaço e no final, você vai perceber que desperdiçou tempo demais com nada.

 Me incomoda dizer isso, mas as vezes, abandonar algumas pessoas é necessário, não só para não sofrer, mas principalmente para amadurecer. Quando abrimos oportunidades para o novo, ampliamos horizontes e adquirimos experiências que nos transformam.

 Não se limite a ler este texto e pensar apenas em namorados ou casinhos, pense em todas as pessoas que estão na sua vida, tem gente, que só faz retardar nosso passo.

segunda-feira, agosto 21, 2017

O que é o amor



Que me perdoe Camões mas o amor não é fogo que arde sem se ver, o amor é aquele sol que aquece a nossa pele em um dia de inverno, ou o calor do cobertor que nos abraça.
O amor não é ferida que dói e não se sente, ele é a cura de todas as feridas, é um alivio para todas as dores da alma.
O amor não é um contentamento descontente, é uma felicidade constante, por saber que mesmo tendo um dia ruim, alguém te faz sorrir no fim dele.

Amor não é status, não é luxuria, não é encantamento.

Amar é sim desejar, mas desejar o bem seja ele qual for e esteja ele onde estiver.
Amar é se apaixonar pelos defeitos, pelos trejeitos, pelo jeito confuso de ser ou pelo jeito estranho de se vestir.
Amar é não ter que se preocupar em se envergonhar, não pensar no cabelo desgrenhado ao acordar ou com a sua fome de leão.
Amar é quando você se cansa de transar, e ainda quer estar ali para conversar, ou mesmo para em silencio sentir o outro respirar.
Amar é dizer repetidamente "Eu te Amo" não só com palavras, mas com gestos singelos todos os dias, porque você não quer que a pessoa se esqueça.
Amar é fazer pelo outro aquilo que ele não pode fazer por si mesmo, mesmo que isso as vezes signifique dizer palavras duras ou fazer por ele aquilo que ele nem sabe ainda que precisa.
Amar é estar distante e ainda se fazer presente, não por obrigação, mas porque o coração é insistente.

Amar não te exige, não te causa dor.

Amar é se sentir amado, é se sentir acolhido.

Amor é reciproco, quando não é, não é amor.